PESSOAS QUE ACESSARAM O BLOG:


domingo, 25 de julho de 2010

ENTREVISTA COM O CORONEL MÁRIO SÉRGIO, COMANDANTE GERAL DA PMERJ

Rio - O mês em que o coronel Mário Sérgio Duarte completa um ano como comandante-geral da Polícia Militar foi marcado por tragédias envolvendo a corporação. A mais emblemática delas foi a morte de Wesley Gilber Rodrigues de Andrade, 11 anos, atingido por uma bala perdida dentro de um Ciep em Costa Barros durante operação da PM. A corregedoria apura o que deu errado na ação que o oficial classifica como “grande fiasco”. Outro caso foi o de policiais acusados de tentar extorquir o motorista que atropelou o filho da atriz Cissa Guimarães. Enquanto isso, o comandante coloca em prática seus planos para aprimorar a corporação. Ele já devolveu às ruas 2.200 PMs que estavam em outras funções, ganhou quase 3 mil novos soldados e modificou o concurso da instituição.

Foto: Paulo Araújo / Agência O Dia
Temos grandes eventos pela frente, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas, e precisamos evoluir | Foto: Paulo Araújo / Agência O Dia

O DIA: O que deu errado na operação que acabou com a morte de Wesley?

Mário Sérgio: Se o risco dessa operação acabou se confirmando com a morte de uma criança, é lógico que a operação foi um grande fiasco. Não significa que não houve cuidado no planejamento, mas a operação deu errado. Então vamos ver o que faltou. Na terça-feira anterior, tinha reunido comandantes dos chefes operacionais especiais para reiterar nossa política, porque uma grávida inocente havia sido baleada. Ninguém hoje na Polícia Militar pode dizer que não conhece nossa política.

O DIA: Aquela operação não deveria ter sido feita?

Isso a investigação vai nos dizer. Se há uma escola que fica na linha de tiro por onde você vai entrar, não se entra por ali. Esse é um dos pontos da nossa investigação. Se a passarela onde os policiais estavam, em frente à escola, deixava o local em risco, é um fator de erro. Mas Costa Barros faz parte das considerações para receber uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). Não posso garantir quando. Temos uma boa política de combate ao narcotráfico, mas de combate para a pacificação.

O DIA: Tem como delimitar um raio de não-atuação da PM perto de escolas?

É complicado. Às vezes, a escola está distante, mas na direção do tiro. A análise tem que ser pontual. Um tiro de fuzil chega a três quilômetros.

O DIA: Como prevenir acidentes?

Agora vou acompanhar tudo mais de perto. É claro que não dá para saber detalhes de todas as operações, mas quero saber quando vão ocorrer, os objetivos e recomendar cuidados.

O DIA: E o caso do filho da atriz Cissa Guimarães?

Nos causou uma grande indignação. Estou envergonhado. Os detalhes dos depoimentos são estarrecedores. Não é isso que esperamos dos integrantes de nossa instituição. Havia indício de que o carro estava envolvido no acidente, eles (PMs) deveriam ter pego o rádio e avisado que havia um carro naquela situação. Fomos até o extremo que a lei permite. Mandei prendê-los.

O DIA: Como o senhor conseguiu colocar 2.200 policiais nas ruas sem fazer concurso?
Havia pessoas desviadas para funções internas e estruturas administrativas com efetivo de batalhão. Também alguns serviços, como alguns Postos de Policiamento Comunitário (PPC) nas favelas, já não eram mais efetivos. Não fazia nenhuma diferença 3 ou 4 policiais por dia numa área de mais de 100 criminosos fortemente armados. No total, davam mais de 400 homens que poderiam estar nas ruas.

O DIA: E o que o senhor via que precisava ser mudado?

A Polícia Militar havia se transformado numa estrutura de poder preterindo aquilo que deve ser a corporação, que é uma estrutura de prestação de serviço público. Ela tinha se tornado aparentemente ausente das ruas. Tínhamos que devolver a ostensividade da Polícia Militar. A polícia tem o dever de ser vista para dissuadir o criminoso. Os índices de criminalidade estavam crescendo de uma forma estratosférica. Isso me incomodava muito porque vários daqueles índices estavam ligados à ação da polícia de prevenção.

O DIA: Por que reformular o concurso para a PM?

Abríamos concurso para 4 mil pessoas e não conseguíamos selecionar. Tinha um exame de matemática que derrubava muito, exames psicológicos com exigências inadequadas. Nosso saber tem que ser sustentado na antropologia, na ciência política, na filosofia.

O DIA: O senhor encontrou mais dificuldade em organizar a parte administrativa ou operacional ?

A administrativa. A gente quer trazer novidades e os policiais, em todos os níveis, acreditam que mexer nisso é mexer na essência da corporação. Eles precisam entender que estamos mexendo só naquilo que pode. Temos grandes eventos pela frente, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas, e precisamos evoluir. Temos que arrumar a casa hoje e também preparar a instituição para o futuro.

O DIA: O senhor sofreu muitas críticas promovendo essas mudanças?

Sofro e acho natural. A maior foi a disciplinar, quando determinamos que o homem não deveria ser preso por qualquer coisa, só em ocasiões muito especiais. Prendia-se por qualquer motivo.

O DIA: Qual é o maior problema da corporação?

É o desvio de conduta. O policial trabalha tão próximo do crime que muitas vezes agrega os valores do criminoso. Criamos um filme e uma peça com policiais que foram expulsos por desvio de conduta. Eles serão apresentados nos quartéis. O policial também precisa ser tratado. Tem que cobrar, mas dizer da sua importância para a sociedade. Por mais que você prepare um homem, você não tira os impulsos dele. Ele não é um robô. A gente expulsa, prende e mesmo assim isso acontece. A maioria dos soldados é afastada por problemas psiquiátricos, muitos adquiridos durante o serviço. Por isso, estamos aumentando o quadro de psicólogos e os PMs serão submetidos a testes constantes. Um outro compromisso é modernizar a corregedoria. Em 60 dias, ela vai para o antigo Laboratório Industrial Farmacêutico em São Gonçalo. Lá, vão funcionar comissões disciplinares que não ficarão mais nos batalhões. É preciso mais independência na hora do julgamento.

O DIA: Qual foi o seu pior momento até agora no comando?
O pior e de maior dor foi o episódio do helicóptero. Eu estava em casa, havia escutado os tiros e comecei a fazer contato com o pessoal da área. Quando chegou a notícia que dois policiais haviam morrido foi muito difícil. É algo que a gente acredita que nunca mais vai acontecer. O Rio já vive um momento muito diferente.

O DIA: O senhor apontaria algum erro de sua gestão?

Sim. Errei quando pensei em extinguir o Grupamento Especial de Policiamento em Estádios. E também ao nomear comandantes que acabaram se tornando complicadores.

O DIA: Salário é um dos problemas da corporação. Mês passado houve um reajuste.

Ganhamos também algumas gratificações. A primeira negociação foi tensa. Essa última foi exaustiva mas saímos satisfeitos. Pensávamos que fôssemos iniciar 2011 tendo que negociar salário.

6 comentários:

Anônimo disse...

Concordo com os dizeres do CMT GERAL DA PMERJ quando ele diz que "o policial trabalha tão próximo do crime que muitas vezes agrega os valores do criminoso" e quando ele lembra que "salário é um dos problemas da corporação". Para um servidor se sentir importante na sociedade. é preciso que ele ganhe bem, pelo menos o suficiente para pagar o básico sem ter que fazer "bico" na folga, como acontece hoje em dia. O Soldado, quando ingressa na PMERJ, já deveria estar recebendo uma quantia acima de R$ 2.000,00 (dois mil reais) mensais. TODO MUNDO PRECISA DE DINHEIRO!

Obs: O Salário Mínimo Necessário (referente ao mês de Junho/2010), divulgado pelo DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), é R$ 2.092,36 (dois mil e noventa e dois reais e trinta e seis centavos). http://www.dieese.org.br/rel/rac/salminMenu09-05.xml

Anônimo disse...

Servir e proteger...

Um oficial da polícia militar do Rio de Janeiro viajou para uma cidade dos EUA, se foi a passeio não vem ao caso, e no tempo que esteve lá teve contato direto com um patrulheiro brasileiro naturalizado americano, tudo começou quando o policial “americano” o pegou em uma pequena infração de trânsito. O oficial, acostumado com a sua polícia e vendo que poderia se enrolar, ofereceu vantagem financeira ao patrulheiro, isso mesmo, tentou suborná-lo. O policial olhou para o oficial brasileiro e disse, sem demonstrar qualquer tipo de sentimento: - “Senhor, por favor, queira me acompanhar até o distrito”. O oficial gelou, mas aquela altura, depois de tentar subornar um agente de trânsito de outro país, não poderia fazer mais nada. O patrulheiro entrou em sua viatura e dirigiu-se para o distrito e o oficial da PM, envergonhado e sem entender, o seguiu. Chegando ao distrito o patrulheiro entrou com o oficial e pediu que ele aguardasse no saguão principal e desapareceu; passados vinte minutos o oficial da PM foi tocado no ombro e ao virar-se para olhar viu o patrulheiro sem seu uniforme e espantou-se quando escutou dele a palavra “vamos”, então pensou: “Vamos para onde?”, afinal já estavam no distrito e qualquer ação legal teria de ser tomada ali mesmo, mas tomado pela curiosidade seguiu o patrulheiro até o estacionamento, onde notou que o mesmo tinha um belo sedan. O patrulheiro levou o oficial até seu veículo alugado e pediu para que ele continuasse a segui-lo, o oficial continuava a não entender nada e se perguntava a todo minuto: “O que esse louco está querendo?”. Saíram então do distrito e pegaram a rodovia principal e em poucos minutos estavam em um bairro residencial com lindas casas, todas elas com belos gramados e de dois andares, algumas até com três. O patrulheiro estacionou seu sedan em frente a garagem de uma dessas casas e o oficial estacionou o carro atrás do dele e observou uma linda casa em tom de azul claro com um belo quintal cercado nas laterais por uma bonita cerca de madeira pintada de branco. O patrulheiro, ao sair do veículo, foi cumprimentado por um homem que regava as plantas da casa ao lado: “Hi neighbor! It’s a nice day!” ao que o patrulheiro respondeu cordialmente o cumprimento e disse ao oficial PM: “Por favor, me acompanhe”.

Anônimo disse...

Entraram na casa e foram recebidos por uma bela mulher que cumprimentou o patrulheiro com um beijo e perguntou quem era o convidado, o patrulheiro respondeu que era um conterrâneo do Brasil que cometera uma infração de trânsito e que tentara suborná-lo, a mulher riu e perguntou quanto ele havia oferecido e ele, com um sorriso, respondeu: “U$100”! A mulher, rindo, disse ao oficial, após uma rápida apresentação, que iria preparar uma limonada e que ele ficasse à vontade. O oficial, então, já nos fundos da casa, próximo a uma bela piscina de azulejos de tamanho considerável, perguntou se eles poderiam resolver logo aquilo para que ele pudesse seguir sua vida e tirou a nota de cem do bolso, o patrulheiro, então, com um sorriso no rosto, disse ao oficial da PM: “Guarde seu dinheiro. Não o trouxe aqui para aceitar o suborno e em qualquer situação normal eu, além de multá-lo, o prenderia, mas como vi que era um conterrâneo meu e, além disso, policial, fiquei muito contente e decidi te mostrar uma coisa que, até agora, parece que você não viu; meu amigo, eu tenho um ótimo salário, como você pode constatar com seus próprios olhos, meu carro é top de linha e vai completar um ano, geralmente fico com um carro apenas dois ou três anos, consegui, sendo policial, financiar essa casa que para as minhas necessidades é bem confortável, minha esposa, que atualmente só estuda, também tem seu carro, e posso lhe garantir que não é um carro popular, então, nunca mais faça o que você fez hoje, porque você corre o sério risco de passar algum tempo no xadrez do distrito”. Com isso, após ser levado até seu carro ele se desculpou com o patrulheiro que falou: “Meu amigo, sei das dificuldades da polícia brasileira, principalmente no que tange aos salários”. Trocaram e-mails e se despediram.
FIM!

Esse texto foi baseado em uma história real e eu resolvi postá-lo para frisar a diferença de comportamento entre a polícia americana, como também poderia falar da canadense, e a polícia brasileira, mas chamando a atenção também para o valor que é dado ao agente de polícia dos Estados Unidos quando comparado conosco.

http://pracaspmerj.blogspot.com/2010/07/servir-e-proteger.html

Anônimo disse...

A REALIDADE DA POLÍCIA MILITAR DO RJ

Os Policiais Militares do Rio de Janeiro estão nas ruas, prestando serviços essenciais, defendendo a população fluminense de madrugada, de manhã, à tarde e à noite, mas o sacrifício não é reconhecido, pois recebem o pior salário do Brasil.

A expressão "o pior salário do Brasil" pode parecer exagerada, porém reflete a verdade real e angustiante vivida por esses profissionais, que exercem uma carreira acompanhada de permanente risco de vida, representado pelo necessário enfrentamento com os criminosos.

Em vista de vencimentos que são de fato os mais baixos do país, o concurso público para a PMERJ se tornou apenas um "TRAMPOLIM" para outras carreiras no setor público (com salários maiores). É fácil imaginar como isso afeta a vida de cada um de nós, nestes dias angustiantes de insegurança cada vez maior.

Muitos começam por baixo e optam por um concurso de nível médio, que não requer grandes esforços, como o da PMERJ. Em consequência disso, acabam indo para a Polícia Militar pessoas sem vocação para a área, e a corporação é obrigada a aceitá-las porque não pode descartar os poucos candidatos que conseguiu. A maioria não consegue nem fazer uma simples redação, é vergonhoso!

Anônimo disse...

O nível superior (3º Grau) completo já deveria ser uma exigência para os futuros cursos da PMERJ, pelo menos para o CFS, o CAS, o QOA, o CFO, o CAO e o CSP.

Todos os Graduados devem ser Graduados em Curso de Nível Superior

De agora em diante, pelo menos os PMs com graduação de 3º Sargento para cima devem possuir o Ensino Superior Completo! Não tem cabimento um Graduado ter apenas o 2º Grau (Nível Médio)!

Anônimo disse...

Esse coronel eh lindo!
Palmas p ele!
Estou apaixonada!

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina