PESSOAS QUE ACESSARAM O BLOG:


terça-feira, 20 de outubro de 2009

NOVIDADE: "GOVERNO REJEITA EMENDAS AO PROJETO DE REAJUSTE DOS POLICIAIS"

GOVERNO REJEITA EMENDAS AO PROJETO DE REAJUSTE DOS POLICIAIS

O secretário de Planejamento e Gestão do estado, Sérgio Ruy Barbosa, afirmou, nesta segunda-feira (19/10), que o Governo não acatará nenhuma das 59 emendas dos deputados ao projeto de lei 2.580/09, que aumenta em 5% os vencimentos dos policiais civis, militares e bombeiros militares. A afirmação foi feita durante audiência pública conjunta das comissões de Segurança Pública e Assuntos da Polícia e de Defesa Civil, presididas respectivamente pelos deputados Wagner Montes (PDT) e Flávio Bolsonaro (PP). Durante o encontro, Ruy alegou falta de verba para concessão de aumentos, mas anunciou a realização de concursos públicos para aumentar, em 1,3 mil, o número de efetivos nas categorias, o que não foi considerado suficiente para os parlamentares presentes. “Os secretários não souberam responder nossas principais dúvidas e definitivamente não estão querendo negociar. O governo alegou falta de verba para um reajuste melhor”, queixou-se Wagner Montes. Ele e Bolsonaro pediram aos sindicalistas uma posição quanto ao projeto original, para decidirem como vão se posicionar na votação.

O presidente da Comissão de Tributação da Alerj, deputado Luiz Paulo (PSDB) questionou a alegação de falta de verba para conceder o aumento. “Eu acompanho o desenvolvimento do caixa do Tesouro. Sei que, em 2008, sobraram R$ 5 bilhões. Queria entender por que o Governo não pode investir parte dele na Segurança Pública. O Rio será o cenário de diversos eventos mundiais e a preocupação com a segurança deveria ser uma prioridade”, argumentou. Muitos temas foram levantados, mas, para os sindicalistas presentes, as respostas foram evasivas. “Viemos hoje na Assembleia para discutir o reajuste, nada mais. Foi citado por um dos sindicalistas que um recruta está ganhando mais que um oficial, eu digo que isso é impossível. Um recruta possui mais gratificações, talvez, mas isso se deve ao fato de seu salário ser menor”, garantiu o secretário.

A reunião também serviu de palco para o debate sobre as gratificações de R$ 350 para os ativos das três corporações. Criada por decreto, a título de gratificação por qualificação – condicionada à realização de cursos de capacitação –, a bonificação foi contestada por beneficiar apenas uma parcela, o que foi justificado pelo secretário. “Serão 30.100 agentes contemplados, num universo de 37 mil. Os demais já recebem gratificações. Esta busca estimular a qualificação, por isso se destina apenas aos ativos”, esclareceu.

Também estiveram presentes os deputados Paulo Ramos (PDT), Délio Leal (PMDB) e Rodrigo Dantas (DEM) e o subsecretário da Fazenda, George Santoro; o representante da Associação dos Delegados de Polícia, Wladmir Regali; o presidente da Associação dos Ativos, Inativos e Pensionistas da Polícia Militar e Bombeiros, Miguel Cordeiro; o presidente do Sindicato de Policiais Civis, Fernando Baroleiro. E, ainda, o presidente do Sindicato do Corpo de Bombeiros, Nilo Guerreira; o presidente do Sindicato de Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase), Marco Aurélio Rodrigues, e o presidente do Sindicato de Delegados de Polícia, Sérgio Caldas.

6 comentários:

Anônimo disse...

A maioria dos políticos, quando em campanha para algum cargo público, prometem mundos e fundos. O nosso atual Governador não poderia ficar de fora dessa relação, quando em campanha tinha como prioridade de governo, o salário digno para o Policial Militar, coisa que como era de se esperar não aconteceu, e nem vai acontecer em seu governo. Hoje vemos nossos colegas combatendo nessa GUERRA URBANA, por um salário medíocre (recebem um SOLDO INFERIOR AO SALÁRIO MÍNIMO vigente).

O narcotráfico está se aproveitando da incompetência dos governantes. Não adianta apenas equipar a Polícia e contratar novos policiais! É necessário, também, pagar um salário digno aos Policiais Militares.

A questão salarial é fundamental para definir o perfil dos próximos milhares de candidatos para o concurso de Soldado da PMERJ que se aproxima. Quanto melhor o salário, melhores homens e mulheres buscarão a carreira Policial Militar.

Um estudo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) concluiu ser de R$2.065,47 o “Salário Mínimo Necessário”, isto é, o soldo que contemple as necessidades básicas de uma pessoa e sua família, como moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social.

Como o salário está baixo demais, o aumento salarial para a PMERJ deve ser superior a 100%!

O Estado do Rio de Janeiro não pode ter um governador como o Sérgio Cabral Filho. Precisamos evitar a reeleição desse "desgovernador", que está sendo o pior de todos os tempos!

As áreas essenciais estão abandonadas, principalmente a Segurança Pública. O Governo Cabral está sendo um desastre!

VAMOS TIRAR O "PINÓQUIO" DO PODER!!

É preciso tornar mais atrativa a carreira de policial militar, aumentando os salários, para transformar a Polícia Militar do Rio de Janeiro numa Polícia com padrão de país de Primeiro Mundo.

Atualmente, o PM fluminense tem o menor salário do Brasil, sendo que a arrecadação do Estado do RJ é a 2ª maior do país (só perde para SP).

As avaliações do Concurso para Soldado da PMERJ precisam ser mais rigorosas, mas com o salário que oferecem só vão atrair sonhadores ou aproveitadores.

Pagar bem é fundamental! No Estado com a maior arrecadação não há dinheiro? Como disse a “Juíza” em sua campanha durante um debate: “Se não roubar, dá”.

Com o salário atual, o PM precisa trabalhar na folga para complementar a renda, que é insuficiente para pagar o BÁSICO! Isto deixa esse profissional cansado, estressado, sem condições de atuar bem no serviço policial militar.

Anônimo disse...

Sem luta, não há vitória

DIA 25/10/2009 - ÀS 10:00 HORAS - NO POSTO 6 (SEIS) DA PRAIA DE COPACABANA (PRÓXIMO AO FORTE E AO HOTEL SOFITEL) - CAMINHADA EM APOIO À PEC 300/08, a única esperança do Policial Militar do Rio de Janeiro!

NÃO HÁ VITÓRIA SEM LUTA!

PMERJ, UMA DAS MELHORES POLÍCIAS DO MUNDO!

PMs e BMs do Rio precisam correr atrás do prejuízo

Anônimo disse...

Rio investiu só 24% da verba prevista para segurança

O governo do Estado do Rio não consegue realizar os investimentos previstos nos orçamentos para a segurança pública - que reúne ações para as Polícias Militar e Civil, bombeiros e sistema penitenciário, entre outros. Dados do Sistema de Informações Gerenciais (SIG) da Secretaria de Estado de Fazenda mostram que, em 2009, dos R$ 421 milhões de dotação inicial para o setor, o Estado só liquidou R$ 102,1 milhões até ontem - 24,2% do total.

Nos três anos da administração Sérgio Cabral, o total previsto em investimentos para segurança pública chegava a R$ 804.818.112, segundo o SIG. Até ontem, a realização dessas ações consumiu apenas R$ 316.102.753,36 - ou 39,2% do total de dotações.

Os dados do SIG mostram ainda que os investimentos ficaram abaixo do esperado mesmo quando o Estado arrecadou mais do que previa. O orçamento do ano passado projetava que o total de receitas somaria R$ 39,87 bilhões. No fim do ano, verificou-se que esse número ficou em R$ 43,01 bilhões. Mesmo arrecadando R$ 3,14 bilhões a mais, os investimentos na rubrica segurança pública ficaram bem abaixo do que constava no orçamento inicial. A dotação era de R$ 254,2 milhões, mas o investimento somou R$ 157,7 milhões (62%).

A Secretaria de Estado de Segurança Pública informou que não comentaria como os investimentos abaixo do previsto afetam o setor. O órgão informou que, para 2009, seu orçamento para despesas de capital soma R$ 279 milhões e foram gastos até agora R$ 125 milhões. Segundo a pasta, questões judiciais e convênios que ainda não foram cumpridos impediram a realização de porcentagem maior do que se previa inicialmente. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Anônimo disse...

Rio investiu só 24% da verba prevista para segurança

O governo do Estado do Rio não consegue realizar os investimentos previstos nos orçamentos para a segurança pública - que reúne ações para as Polícias Militar e Civil, bombeiros e sistema penitenciário, entre outros. Dados do Sistema de Informações Gerenciais (SIG) da Secretaria de Estado de Fazenda mostram que, em 2009, dos R$ 421 milhões de dotação inicial para o setor, o Estado só liquidou R$ 102,1 milhões até ontem - 24,2% do total.

Nos três anos da administração Sérgio Cabral, o total previsto em investimentos para segurança pública chegava a R$ 804.818.112, segundo o SIG. Até ontem, a realização dessas ações consumiu apenas R$ 316.102.753,36 - ou 39,2% do total de dotações.

Os dados do SIG mostram ainda que os investimentos ficaram abaixo do esperado mesmo quando o Estado arrecadou mais do que previa. O orçamento do ano passado projetava que o total de receitas somaria R$ 39,87 bilhões. No fim do ano, verificou-se que esse número ficou em R$ 43,01 bilhões. Mesmo arrecadando R$ 3,14 bilhões a mais, os investimentos na rubrica segurança pública ficaram bem abaixo do que constava no orçamento inicial. A dotação era de R$ 254,2 milhões, mas o investimento somou R$ 157,7 milhões (62%).

A Secretaria de Estado de Segurança Pública informou que não comentaria como os investimentos abaixo do previsto afetam o setor. O órgão informou que, para 2009, seu orçamento para despesas de capital soma R$ 279 milhões e foram gastos até agora R$ 125 milhões. Segundo a pasta, questões judiciais e convênios que ainda não foram cumpridos impediram a realização de porcentagem maior do que se previa inicialmente. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Anônimo disse...

Dia 25/10 (domingo), às 10:00 horas, estarei em Copacabana (no Posto 6), porque EU ACREDITO na PEC 300/08!

Eu não quero essa gratificação de R$ 350,00, eu quero é salário!! NÃO VOU ME INSCREVER PARA CURSO NENHUM... ASSIM COMO NÃO QUERO BOLSA FORMAÇÃO (R$ 400,00), NÃO QUERO ESSA.

Anônimo disse...

UPP significa DINHEIRO PÚBLICO sendo jogado fora...

Morador do morro Dona Marta, em Botafogo, zona Sul do Rio, o estoquista Eliézio Conceição, 28, diz que a maior mudança do morro, desde que a UPP (Unidade de Policiamento Pacificador) foi implantada, há dez meses, é o fato de moradores estarem sendo revistados sem motivo, o que os deixa irritados. Eles relatam que as abordagens são truculentas. Alguns até dizem que UPP significa unidade de polícia problemática.

Os recrutas jogaram spray de pimenta nos olhos de uma técnica de enfermagem, Sônia Maria de Oliveira, de 48 anos, moradora da comunidade Santa Marta. Ela move um processo contra o Estado, pois considerou uma arbitrariedade a atitude desses PMs. O Ministério Público autuou os PMs como autores de "crime de abuso de autoridade". Conclusão: ninguém está satisfeito com esse modelo de policiamento, nem os moradores do morro/favela.

A política de segurança do Rio, como sempre, está errada! Como estamos com poucos PMs nas ruas, muitos estão em morros/favelas, os índices de criminalidade aumentaram no asfalto. Quem paga os maiores impostos está sendo prejudicado em detrimento dos que não pagam impostos. Os policiais militares mais experientes, que colocaram ordem no morro, não levam a gratificação de R$ 500,00 referente à UPP. Os Soldados mais modernos ("recrutas") levam o dinheiro sem terem feito nada! É uma injustiça com quem se arriscou...

GOVERNO CABRAL, O PIOR GOVERNO DE TODOS OS TEMPOS!

Se o Cabral for bem e chegar ao segundo turno das eleições em 2010, eu votarei em qualquer pessoa que chegar ao 2º Turno para tirar o Sérgio Cabral do Governo. Pinóquio nunca mais!

http://cabralnuncamais.blogspot.com/

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina